Extração Forçada de Órgãos na China

A extração de órgãos de prisioneiros executados na China começou em 1984, quando a lei que permitiu a prática foi implementada na China. O público teve conhecimento desta prática após o depoimento do Dr. Wang Guoqi ao Congresso dos EUA, em 2001. Em todo o mundo, a extração de órgãos de prisioneiros executados é banida como antiética.

Em 2006, as primeiras testemunhas e, em seguida, o Relatório de Kilgour & Matas relatam que os órgãos foram retirados de prisioneiros de consciência ainda vivos, principalmente a partir de praticantes de Falun Gong detidos. Os dados sugerem que a extração de órgãos era “por demanda” porque os órgãos foram retirados sem o consentimento aceitável e os doadores foram mortos no processo.

Entrevistas por telefone feitas por David Kilgour e David Matas revelaram que em 17 locais na China, os órgãos foram adquiridos de praticantes de Falun Gong detidos. Isto sugere que a extração de órgãos na China é uma ampla e sistemática atrocidade sancionada pelo Estado.

Em seu livro Bloody Harvest (Colheita Sangrenta), ), eles citam a gravação de telefone, em 2006, de um médico de um hospital chinês, que confirma que o hospital usa órgãos ‘vivos, frescos’ de praticantes de Falun Gong:

Consulente: Eu quero saber quanto tempo [os pacientes] têm que esperar [por um transplante de fígado].

Dr. Dai: O fornecimento de órgãos que nós temos, nós temos todos os dias. Nós fazemos todos os dias.

Consulente: Queremos frescos, vivos.

Dr. Dai: Eles estão todos vivos, todos vivos …

Consulente: Eu ouvi que alguns vêm daqueles que praticam Falun Gong, aqueles que são muito saudáveis.

Dr. Dai: Sim, nós temos. Eu não posso falar abertamente a você por telefone.

Consulente: Se você pode me fornecer este tipo, eu estou chegando muito em breve.

Dr. Dai: Está bem. Por favor, venha.