Petição

Petição para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pedindo o fim imediato da extração forçada de órgãos de praticantes de Falun Gong na China

Petição

Petição

Em 2013, Médicos Contra Extração Forçada de Órgãos (DAFOH) iniciaram uma petição ao Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas pedindo medidas imediatas para acabar com a prática antiética de extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência na China. A petição também pede um fim à perseguição ao grupo espiritual Falun Gong, vítima principal da extração forçada de órgãos.

Entre julho e novembro de 2013, cerca de 1,5 milhão de pessoas, em mais de 50 países, assinou a petição e manifestou o seu apoio para pedir o fim a deste mal sem precedentes. Em 12 de dezembro de 2013, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de urgência sobre a extração forçada de órgãos na China.

Nós, abaixo assinados, estamos alarmados com a evidência de extração forçada de órgãos de praticantes de Falun Gong detidos na China. Entendemos que os praticantes de Falun Gong presos são as principais vítimas deste crime contra a humanidade. É uma forma sem precedentes de maldade. Esperamos que o fim da extração forçada de órgãos de praticantes de Falun Gong também coloque um fim nessa prática antiética feita com outros grupos minoritários sujeitos a esse crime na China, como uigures, tibetanos e cristãos. Vimos por este meio pedir ao Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas para:

  1. Por favor, convocar a China a acabar imediatamente com a extração forçada de órgãos de praticantes de Falun Gong detidos na China.
  2. Por favor, iniciar novas investigações que levem à abertura de processos contra os agressores envolvidos nesse crime contra a humanidade.
  3. Por favor, convocar o governo chinês para que cesse imediatamente a brutal perseguição ao Falun Gong, que é a causa principal da extração forçada de órgãos de praticantes de Falun Gong.

Por favor, envie sua assinatura em apoio a esta petição até 30 de novembro de 2016.